This text will be replaced

As crianças e o empreendedorismo

As crianças e o empreendedorismo

A Pedagogia Empreendedora é uma metodologia de ensino de empreendedorismo para a Educação Básica, que compreende desde a educação infantil até o ensino médio; atingindo assim as idades de 4 à 17 anos.

Experiência inédita mundialmente a Pedagogia Empreendedora já foi implementada em 127 cidades, entre elas, São José dos Campos e Sorocaba, envolvendo cerca de 10.000 professores, 2000 escolas e centenas de milhares de alunos. Empreendedorismo como uma forma de ser e não somente de fazer. Ela desenvolve o potencial dos alunos pra serem empreendedores em qualquer atividade que escolherem: empregados do governo, do terceiro setor, de grandes empresas, pesquisadores, artistas, etc. Decidirão que tipo de empreendedor irão ser.

O consultor de empreendedorismo, Fernando Dolabela, também autor do livro “O segredo de Luisa” fala sobre a educação empreendedora que é aplicada desde as crianças de 3 anos até aos adultos.

O empreendedorismo é a busca e a realização de um sonho. O empreendedor transforma o sonho em realidade.

O conceito de empreendedorismo nasceu na empresa, mas se desenvolveu para todas as áreas da atuação humana. O empreendedorismo não é definido pelo que a pessoa faz, mas pelo que a pessoa é.

É possível trabalhar empreendedorismo com as crianças com o objetivo de preparar a pessoa para desenvolver seu potencial empreendedor.

Os potenciais humanos são ilimitados e podem ser desenvolvidos se forem estimulados. A educação empreendedora nada mais é do que liderar e desenvolver este potencial que muitas vezes é inibido pela sociedade.

O empreendedor deve se conhecer, saber o que ele gosta, o que sabe e o que não sabe também para poder ter sucesso. A liderança é fundamental para ser um empreendedor para que você possa ser capaz de “seduzir” pessoas para que elas lhe ajudem a realizar seus sonhos, e isso só é possível se você souber profundamente sua área de atuação, conhecendo todas as variáveis que impactam neste setor, principalmente o que o cliente quer.

9 comentários cadastrados em “As crianças e o empreendedorismo”

  1. Ana disse:


    Gostei muito da entrevista!
    Ótimas dicas.
    Parabéns!

  2. Valeria Fachetti disse:


    Adorei a entrevista, principalmente as dicas, como mãe temos sempre tendencia de podar as boas ideias.
    Uma pergunta: como se chama livro para os pais nao empreendedores nao poderem os filhos?
    Excelente!

  3. Beto Zamberlan disse:


    Oi Valéria,

    Que bom você ter gostado.
    O livro é muito bom.
    O nome é: ” Quero construir a minha história”
    Editora Sextante
    Abs
    Beto Zamberlan

  4. Gislaine disse:


    A entrevista foi esclarecedora. Fiquei encantada.Nossa escola tenta ativar o empreendedorismo nas crianças, mas estamos diante de muitas barreiras e reistências.
    Abraços;
    Gislaine

  5. webfilhos disse:


    Que bom Gislaine que tenha gostado.
    São muitas barreiras mesmo mas juntos conseguiremos, conte sempre conosco.

  6. As crianças e o empreendedorismo « EMPRETIC disse:


    [...] fonte: As crianças e o empreendedorismo [...]

  7. Carlos Henrique disse:


    Gostei muito da informação e digo que tenho interesse em levar isso para os cursos ao qual ofereço…possuo uma franquia de Cursos Profissionalizante e sinto falta de poder contribuir para a iniciação do empreeder aos alunos de minha escola os quais muitas vez estão em contato pela primeira vez a possibiliadde de aprender algo que o dará oportunidade de trabalhar ou ter um bom emprego….porem melhor do que conhecimentos teóricos de administração e gestão seria poder ativar o espirito empreendedor que há nessa geração ao qual estamos proliferando….agurado uma dic a do que poderia fazer ou algum projeto que poderia implantar em minha escola … somente lembrando esse projeto não tem foco cmercial se não social…

  8. Teresinha Nolasco disse:


    Muito rica a entrevista. Ele é firme e solto no que diz. E não tem como não concordar com tudo. Acho mesmo que a falta de empreendedorismo é “culpa” do meio que vivemos. Falta de estímulo, falta de acreditar no que se quer, ou no que o filho quer e mais, deixá-lo arriscar. Essa é a chave. Como saber se algo vai dar certo se não há o risco? E se não tivermos esse meio favorável, que nos esforcemos então.
    Parabéns! Adorei!

  9. Mirian disse:


    Maravilha de entrevista. Parabéns!

Deixe seu comentário!