This text will be replaced

Quando o amor entre o casal acaba, como ficam as crianças?

Quando o amor entre o casal acaba, como ficam as crianças?

A psicoterapeuta Ana Cristina Zamberlan explica que a separação acontece entre o homem e a mulher, nunca entre os pais e fala sobre a melhor maneira de tratar com a criança nessa situação.

14 comentários cadastrados em “Quando o amor entre o casal acaba, como ficam as crianças?”

  1. Jéssica Machado disse:


    Vivemos de perto tudo o que falou Ana.Nosso filho se separou e ficamos sem saber o que fazer para que nossa neta não sentisse tanto. De fato é importante e passavamos isto para Fernanda, de que ela continuaria a ser muito amada e bem tratada.Hoje o casamento foi restaurado e de vez em quando ela ainda pergunta se vai ter que dormir na casa da vovó, sinto que ficaram marcas.Mas tudo que foi possível fizemos.Todas as suas informações são preciosas, que sejam seguidas.Um abraço

  2. Sue Hellen disse:


    Você é demais!

  3. Marília! disse:


    Fantástico!
    HOJE resolvemos nos separar e em meio a muitas lágrimas assisti o vídeo após recebe-lo de uma amiga.
    Ele ainda é muito pequeno (3 anos) mas senti muito nossas brigas. Em uma primeira e pequena separação ele ficou muito mal, urinando na cama e evacuando na cueca e passou tudo com o pai voltando para casa. Agora é definitivo, agora preciso ter forças e sabedoria pois vamos sair do nosso mundo familiar para um mundo novo, não sei o que encontraremos nesse novo mundo mas nos foi imposto agora, o nosso antigo morreu. Manterei as conversas, o toque e o carinho. Ele, sempre que me vê chorando, pergunta se estou “tiste” e onde está o dodói. Vou ter que inventar muitos tombos para tantas lagrimas que virão…

  4. Emerson Roni disse:


    - Muito interessante,o que a Ana disse nos aproxima mais daquilo que vivemos e não queremos experenciar, em um processo de ensinar a criança e terceirizamos a criança.
    muito bom mesmo .

    um grande abraço !

  5. LUCIANE MONTENEGRO disse:


    ANINHA TE OUVINDO FALAR NESSE VÍDEO, FIQUEI ARREPIADA E ME LEMBREI DA ALGUMAS CONVERSAS QUE TIVEMOS NO MOMENTO EM QUE EU VIVIA O MESMO. PENSO EXATAMENTE ASSIM, SÓ LAMENTO PELOS PAIS, ASSIM COMO O PAI DOS MEUS FILHOS TEM FEITO, IGNORAM SEUS FILHOS INOCENTES E DEIXAM A RAIVA TOMAR CONTA E MUITOS PASSAM A VER NOS FILHOS A SUA EX ESPOSA. UMA CRUELDADE COM OS FILHOS,EU TENTO SUPRIR A FALTA DESSE PAI MESQUINHO.
    AMO OS MEUS FILHOS, ELES SÃO A MINHA VIDA E SÃO MARAVILHOSOS…SÃO A MINHA RAZÃO DE VIVER E EU SERIA NADA SEM MEUS FILHOS. MESMO NÃO AMANDO MAIS O PAI DOS MEUS FILHOS, SOU GRATA PELOS FILHOS QUE DEUS ME DEU. TAMBÉM AGRADEÇO MUITO PELAS INÚMERAS CONVERSAS QUE TIVEMOS E AGORA POR ESSE VÍDEO MARAVILHOSO…PARABÉNS MINHA ETERNA MESTRA, BJ NO TEU CORAÇÃO.
    LU.

  6. Christophe disse:


    E que fazer quando um dos dois não consegue aceitar a separação ? Depois de anos de separação …

  7. Ana Cristina Zamberlan disse:


    Respondo aos comentários: abraço a todos e obrigada pela atenção e carinho.

    Marilia, repito aqui a frase que escreveu e quero comentar: Ele, sempre que me vê chorando, pergunta se estou “tiste” e onde está o dodói. Vou ter que inventar muitos tombos para tantas lagrimas que virão…
    Não sugiro como fazer já que receitas são muito perigosas. Sugiro que você pense naquilo que escreveu. Depois de conversas e de perguntas sobre a separação não há necessidade de mentir para a criança. Não choramos só por machucados físicos que sangram ou doem na pele, na carne. Choramos por emoções e por machucados que vem dos afetos. Saber que você também está triste pelo mesmo motivo que ele poderá evitar que ele procure no seus recursos de criança também algumas mentiras para justificar seu próprio choro.
    Ele entenderá se souber que também para você esta é uma situação triste, um momento triste e que passará. Onde está o dodói?
    Onde dói para você? No coração? Aperto na garganta? Dói na altura do estomago? Onde seus sentimentos apertam você?
    Esta é uma boa oportunidade para ajudá-lo a reconhecer onde ele põe a tristeza dele. O seu tombo não foi real. Não minta para ele. Ele sabe que você não cai tanto assim, tantas vezes e nem no mesmo dia.
    Diga que não está triste por ele, mas por você. E que é assim mesmo, ficamos tristes quando acontece alguma coisa que não queríamos que acontecesse.

    Cristophe, pela sua pergunta entendi que não falamos das crianças, mas de um lado do casal desfeito. Entender a interrupção dependerá de muitos fatores pessoais, modos de ver a vida e maneiras particulares de aceitar os sonhos interrompidos. Propor-se a um processo psicoterapeutico já será um passo importante. Ajudará a retomar o caminho interrompido pelo sonho desfeito e fazer novos projetos. Continuar a vida apesar da interrupção deverá ser um projeto de vida. Adotar projetos alheios como se fossem seus dificulta a aceitação daquilo que não deu certo. A psicoterapia tem esta função: facilitar a retomada, facilitar a busca de auto-atualização, facilitar a elaboração de projetos próprios.

    Beijos a todos. Continuo à disposição.

    Ana Cristina

  8. Graziela disse:


    Pq o ser humano complica tanto as coisas, quando poderia ser mais facil ?
    Mas ouvindo vc falar tudo se torna menos complicado !!!
    Como é bom ouvir palavras que sabemos que tem fundamento, palavras de uma pessoa que vive a sua profissão com muito amor…
    Obrigada pela oportunidade de sempre, ver, ouvir, ler as suas palavras amigas !!
    Bjs

  9. Janaína disse:


    Parabéns Aninha!!!
    Maravilhoso discurso. Beijos!!!

  10. Gizelia disse:


    Parabens Ana….

    beijos!!

  11. Erica Murta disse:


    Ana Cristina !
    você não imagina minha alegria quando me deparei com seu vídeo!
    Sempre te admirei, como professora; também devo minha formação à você. E te admiro ainda mais como profissional!
    Um brande abraço e muito sucesso!

  12. Ana Carolina disse:


    Ana,

    Excepcional o seu discurso. Obrigada pela contribuição.

    Bj

  13. Juraci disse:


    Drª Ana! Nada como falar do que é realidae. Aliás, realidae só existe uma. Nunca duas realidades juntas. O importante é procurar viver da melhor maneira possivel a nova realidade com a separação do casal, dando e exigindo toda dedicaçãoaos filhos. Pais sãosempre pais e filhos sempre filhos do mesmo casal, como vc bem afirma. Parabéns pelaimportante palestra.

  14. webfilhos disse:


    Olá Juraci,
    Fico feliz que tenha gostado das minhas palavras. E acredito que sendo a separação algo inevitável deverá ser tratada e cuidada com atenção para gerar sofrimentos honestos já que eles também serão inevitáveis. Tudo bem falado com espaço para ouvir os comentários de todos. Digo todos mesmo, até os mais pequenos dos filhos. Afinal todos estão juntos na situação. Estou à sua disposição para outras conversas. Um grande abraço.
    Ana Cristina

Deixe seu comentário!